16 / Dez2015

NA REDE: ENTREVISTA COM A EXÓTICA KADRI VAHERSALU, A MODELO DE OLHOS BICOLORES

Via: Dazed Digital

clipboard0-tile

Você não encontrará a modelo Kadri Vahersalu no Instagram ou Twitter, mas no miolo mais energizado da moda no momento – por exemplo, desfilando o último show de Raf Simons à frente da Dior, dançando como se ninguém a observasse no “She’s Lose Control” da Gucci, entre outros. E no filme da Dazed, claro!

embedded by Embedded Video

O ensaio e o filme ficaram maravilhosos. Como foi sua experiência no dia?

Kadri Vahersalu: Foi em Bruxelas, numa igreja antiga. Eles me disseram que padres costumavam morar ali, depois o espaço virou abrigo para pessoas pobres, e depois ainda virou um local de festa. Por isso, todo o grafite no interior. Havia seis outras pessoas, três moças e três caras, todos completamente nus. Isso era meio estranho. Mas foi, honestamente, a coisa mais legal, descolada que já fiz.

Imagino que você os conheceu bem nesse dia!

Kadri Vahersalu: Foi fácil trabalhar com eles, pois são muito profissionais. Eles não ligavam a mínima de estarem nus ou estarem fazendo aquilo, e eu pensava, ‘Vocês são fantásticos!’ De algum modo, eles me inspiraram muito, pois sou tímida e fechada. Eles foram realmente incríveis.

Foi o ensaio mais estranho que já fez?

Kadri Vahersalu: Já fiz coisas bobas, com toda certeza. Quando estive no Japão, fiz o pior ensaio do mundo. Tinha de correr pelo campo com um canudo na boca e me imaginar uma mamangaba. E eles diziam, ‘Corra, finja que é uma mamangaba’. E eu, ‘OK, voarei agora…!’

Acha que o momento atual é propício para ser modelo? A indústria está mais aberta, positiva e inclusiva no momento?

Kadri Vahersalu: Sim, sinto que são todos amigos e abertos se você tem mídia social. Mas se não tem… eu não faço mais. Parei porque não queria ser escalada com base no meu número de seguidores. Fiquei meio triste. É claro que é uma ferramenta boa se você quer vender!

Imagino que sua vida pessoal não deveria ser, nem é, o produto.

Kadri Vahersalu: Não é apenas uma questão com as modelos, mas como estrelas pop em geral. Como Justin Bieber – ele só quer cantar e fazer o que sabe, não está interessado nas 10,000 garotas gritando ao verem-no, ele não quer isso.

Você gosta de Justin Bieber?

Kadri Vahersalu: Gosto muito da música dele. E da forma como ele mudou. É muito triste que seja sempre visto de uma perspectiva negativa. Talvez por isso ele tenha surtada. Mas quando olho para ele agora, nossa, quanta mudança!

Soube que fez o final do último desfile de Raf Simons à frente da Dior. Como foi?

Kadri Vahersalu: Bom, eu não sabia que seria o último. Acho que ninguém sabia, mas quando minha agente me disse, comecei a chorar. Gosto tanto dele! Amo o que ele faz e o fato de ele ser tão humilde, simples. Naquele filme, ele dizia, ‘Não quero que ninguém me fotografe’, e eu, por vezes, me sinto da mesma forma. Se é para um editorial, ok; bastidores, ok; mas saindo do desfile, eu me pergunto – por quê?

Naquele documentário, quando eles dizem para ele para ficar à frente da Paris Match,  ele pergunta ‘Por que?’ – é muito chocante que, às vezes, ninguém tem uma boa razão, apenas segue um costume.

Kadri Vahersalu: Eu acho que ele soube manter sua vida pessoal para si mesmo. Ele é um grande exemplo de alguém que faz seu trabalho e também tem uma vida pessoal.

Isso é muito verdadeiro. Gostei também daquele vídeo da Gucci em que você apareceu, o dançante. Estava assistindo outro dia, e pensando em como há danças estranhinhas atualmente, viraram moda.

Kadri Vahersalu: Foi muito divertido. Foi uma ideia simples, mas colocá-la em prática foi superdivertido. Fazê-la parecer real! Todos se divertiram, isso ficou visível. Foi muito divertido de verdade.

Você já sofreu bullying por causa de seus incríveis olhos?

Kadri Vahersalu: Eles pensavam que eu era uma alienígena! Nunca era uma agressão muito feia, mas, sim, faziam uma brincadeirinha, por exemplo, ‘Uh, você é uma alienígena’, e eu rebatia, ‘Obrigada… como descobriu?’.

Cabelo por Eduard Moelands no Jed Root, maquiagem por Inge Grognard no Jed Root com produtos M.A.C, unhas Sabine Peeters, modelo Kadri Vahersalu da Storm, extras Sasha Vernaeve, Delphine De?ne?re?az, Victor Dumont, Jean Biche, Thibault Lac, assistentes de fotografia Ismae?l Moumin, Nagib Chtaib, assistente de luz Hugo Michaux, assistentes de moda Isabelle Sayer, Jayme Miller, Olivia Verelst, assistente de maquiagem Florence Teerlinck, direção de arte Pierre Daras, casting Noah Shelley

Comente!