Suspense é uma das armas de marketing da nova campanha da Lanvin! O MUNDO quer saber quem é esta modelo que Alber escolheu. Inusitado, não acham? Alguns apostam que se trata de China Machado, de 81 anos, recém contratada da agência IMG e que foi musa, no passado, do fotógrafo Richard Avedon.

Vamos ter que aguardar a confirmação da maison.

Lanvin FW 2012.13 AD Campaign

16 Jul2012

Amando a carteira feita em palha da Arezzo. #étnico #tribal #chique!

 A logomarca da revista, desenhada com a textura de uma renda, reforça o apogeu do material.

Vídeo destaque

Ainda falando da Couture … Eu tinha dito no site que a trilha sonora de alguns desfiles me chamou atenção pela dinâmica que proporcionou ao clima da apresentação. Como se fosse um ballet, ensaiado nos mínimos detalhes, com momentos de exaltação, que marcavam a mudança de um quadro ou expunha um momento especial, ou de continuidade quando o conjunto era a obra mais importante. Busquei no YouTube o meu Top 3.

 GIAMBATTISTA VALLI – por Fredéric Sanchez

embedded by Embedded Video

YouTube Direkt

JEAN PAUL GAULTIER – por Sylvie Verheyde & Fredéric Wayolle

embedded by Embedded Video

YouTube Direkt

VALENTINO

embedded by Embedded Video

YouTube Direkt

Um poderoso recurso da moda atual, que o site já dissecou , são as fendas. Inspiradas nos anos 80, surgiu da beleza reinante dos anos 50, e agora, de forma atualizada, veio com apelo mais ousado e arrojado.

Se juntarmos a sensualidade da fenda, com outras formas que estamos vendo: o recorte, o enrolado, o amarrado, qual será o resultado?

Na última temporada de desfiles pret-a-porter, de onde eu tirei as fotinhas, Jean Paul Gaultier  mostrou grandes volumes reunidos em wraps e dobras. Já a Lanvin, desvendou de forma fresca e discreta, cuidadosamente expondo a pele de maneira sutil e sofisticada. Já a Maison Martin Margiela mostrou construções brutais e desconstruções.

A única verdade incontestável, e isto é importante salientar: boa parte da moda atual é feita para poucas mulheres: as magras e esguias. Portanto, as tendências, em sua maioria, são mais artifícios de editorial ou moda de rua exibicionista , do que uma realidade democrática.