13 / Set2013

PERFIL: VEJA QUEM SÃO AS MULHERES MAIS PODEROSAS DA MODA NO MUNDO

As revistas produzidas pela organização Condé Nast são respeitadas mundialmente, sendo a marca Vogue a mais prestigiosa de todas. A Vogue – principalmente suas edições francesa, americana, inglesa, japonesa e italiana – é a nata da imprensa mundial da moda. Regidas por mulheres – editoras-chefe com olhares e estilos bem distintos entre si –, elas concentram o que de maior qualidade se produz sobre a indústria.

Desvendem estas mulheres!

Emmanuelle Alt/ Vogue Paris: parisiense, ela nasceu em 1967, estudou na Assomption-Lübeck Institute, e, aos 17 anos, ingressou na indústria da moda: tornou-se editora de beleza da Elle. Apenas dois anos depois, foi trabalhar na revista 20 Ans, da qual, em 1993, tornou-se editora-chefe de moda. Em 1998, assumiu o cargo de editora-chefe da Mixte.  Em 2000, começou a trabalhar na Vogue Paris como editora de moda. Quando Carine Roitfeld deixou a publicação em 2011, ela imediatamente a substituiu no cargo de editora-chefe.

clipboard149-horz

“As francesas ainda têm esta cultura ‘Jane Birkin’. Elas sentem que podem sair de casa sem maquiagem, sem pentear o cabelo.”

Anna Wintour/ Vogue US: de família fortemente intelectual, ela nasceu em Londres em 1949. Com passagem pela Harper’s Bazaar quando ainda mal tinha acabado de sair da adolescência, ela ingressou na New York, onde seu trabalho começou a ganhar certa atenção. Em 1983, o diretor editorial da Condé Nast Alex Liberman resolveu, encantando com seu talento, apontá-la como a primeira editora criativa da Vogue US. Quando, em 1985, Beatrix Miller, deixou a edição da Vogue UK, foi Anna Wintour que assumiu o posto. Em 1988, Grace Mirabella deixava a edição da Vogue americana, e Anna Wintour era convidada para o cargo de editora-chefe da revista. Com fama de formidável e extremamente exigente, o livro O Diabo Veste Prada – o qual foi, depois, adaptado para o cinema, com Meryl Streep no papel da editora-chefe da revista, e Anna Hathaway no de sua assistente –, escrito por uma de suas ex-assistentes, Lauren Weisberger, a pinta como chefe impiedosa, uma obcecada pela perfeição e profissional/ personalidade extraordinárias.

Anna é a fundadora do CFDA/ Vogue Fashion Fund, de apoio aos estilistas emergentes, e do Fashion’s Night Out. Desde 1999, ela organiza o trabalho filantrópico do Costume Institute. A Rainha Elizabeth II a condecorou com o título de “Officer of the Order of the British Empire” em 2008, por seu imenso poder como formadora de opinião. Em 2011, o então presidente da França, Nicolas Sarkozy, entregou-lhe a medalha da Legion of Honor.

clipboard152-horz

“Moda não é algo bonito. Nem feio. E por que teria de ser uma coisa ou outra? Moda é moda.”

Twitter: @anna__wintour

Alexandra Shulman/ Vogue UK: formada em Antropologia, ela está no cargo desde 1992. Antes da Vogue inglesa, passou pela Over-21 e pela Tatler – esta última uma publicação Condé Nast. Antes de ser apontada editora-chefe da Vogue UK, foi editora-chefe da British GQ por dois anos. Desde que iniciou seu trabalho na Vogue UK, Alexandra tem recebido numerosos prêmios, como, por exemplo, em 2005, o Order of the British Empire por seus serviços prestados à indústria das revistas, e, em 2010, um diploma honorário pela University of Creative Arts (UCA).

clipboard158-vert

Com a estilista Victoria Beckham

“Cheguei a um momento da minha vida no qual não me julgo mais por minha aparência, pois esse tipo de comportamento é insano. Conheço muita gente insatisfeita com sua aparência, por não estarem tão fisicamente bem quanto costumavam ser. Mas envelhecer faz parte da vida, e você tem de aceitar o processo.”

Anna Dello Russo/ Vogue Japão: nascida na Itália em 1962, ela estudou História da Arte e Literatura Italiana na Domus Academy de Milão. Na área de moda, estreou na Donna Magazine, onde conheceu Annalisa Milella da Vogue Itália. Para a Vogue de seu país, Anna trabalhou dezoito anos, além de seis para a Uomo Vogue – para ambas, na posição de jornalista. Após tal experiência, tornou-se consultora da Vogue japonesa, da qual é, atualmente, editora-chefe. De estilo inconfundível, muito excêntrico e barroco, ela tem um perfume com seu nome, o Beyond, The Scent of Anna Dello Russo.

clipboard156-horz

“Havendo uma guerra, posso me desfazer das minhas roupas, mas jamais de meus sapatos.”

Site: www.annadellorusso.com, Twitter: @annadellorusso, Instagram: anna_dello_russo

Victoria Davydova/ Vogue Rússia: nascida em 1968 em Moscou, ela ingressou nas organizações Condé Nast em 1998, quando, enquanto a editora de beleza, esteve envolvida com o lançamento da Vogue Russa. Em 2004, tornou-se editora-chefe da Glamour russa, e, em 2008, organizou o lançamento da Tatler no país. Formada em Economia pela Faculty of Economics at the Moscow State Lomonosov University, a tese que apresentou era focada na indústria da beleza.

clipboard155-horz

Franca Sozzani/ Vogue Itália: nascida em 1950, ela cresceu na pequenina cidade italiana de Mantua, e formou-se em Filosofia e Língua e Literatura Alemãs. Começou sua carreira na Vogue Bambini em 1976, e dirigiu as publicações LEI e PER LUI, a primeira por oito anos, e a segunda por seis, antes de assumir, em 1988, o cargo de editora-chefe da Vogue Itália. Alguns de suas edições memoráveis são a The Black Issue, inteira devotada a celebrar a beleza da mulher negra, e a Makeover, que explorou o fenômeno da cirurgia plástica.

Autora de numerosos livros sobre moda, fotografia, arte e design, como o British Artists At Work: An Itinerary Among the Most Important British Artists of the Time, ela é membro da CHILD PRIORITY, uma organização filantrópica da Condé Nast que tem o objetivo de proporcionar educação e saúde às crianças carentes.

clipboard161-horz

“Moda não é só roupa. Moda é vida. Não podemos escrever, todo o tempo, sobre flores e rendas e algas marinhas.”

Twitter: @francasozzani

Fotos: reprodução

Sigam @chrispitanguy no Instagram

Comente!